Conceitos (ensino)

Portal do Prof. Fernando Buarque, DIC, PhD

Os conceitos, recomendações, bibliografia e atalhos são opiniões pessoais do Professor e podem não corresponder completamente ao pensamento coletivo da Universidade/Escola/Departamento 

 

Home
Up
Conceitos (ensino)
Conceitos (pesquisa)
Conceitos (extensão)
Caminhos em Computação
Macrovisão de Computação
Recomendações (ensino)
Recomendações (extensão)
Recomendações (pesquisa)
Obrigações (ensino)
Ranking das Universidades
Bibliografia Recomendada
Filmografia sugerida
Configuração Proxy
Atalhos Sugeridos
FAQs
BLOG - FBLN

 

 

© Fernando Buarque, 2005

Página atualizada: 15-02-2009

Conceitos de ensino que subscrevo e tento praticar

 

 

Ensino: Graduação

  • A graduação é o momento da formação que habilita o Aluno para o desempenho profissional em nível superior. Isto significa que além de saber e saber fazer, o egresso desse nível deve possuir um conhecimento mais aprofundado em sua área, ou seja, saber o porquê, e também saber criar.

  • Esta atividade é longa e decisiva na vida de seus "usuários". No Brasil, infelizmente, apesar de ser uma vitória, pertencer a uma graduação implica em que o educando pertence também a uma minoria privilegiada da população.

  • A postura do Aluno nesta atividade deve ser participativa e interessada, devendo ele estar consciente da importância de que somente com muita dedicação haverá pleno sucesso profissional.

  • Além de envolver o Aluno no desafio que é a sua própria formação, cabe aos Docentes responsáveis pelas funções de ensino: (a) apresentar e encadear os conteúdos gradativa e progressivamente, (b) incentivar situações que promovam autonomia visando a formação de profissionais independentes no futuro e (c) incentivar buscas e descobertas gerais, com gradual condução para áreas de afinidades e interesses mais específicos da Profissão.

[Voltar para o topo desta página]

 

 

Ensino: Estágio

  • O Estágio Curricular é uma importante oportunidade, ainda durante sua graduação, em que o Aluno pode experimentar, antecipadamente, uma vivência prática no seu futuro mercado profissional.

  • Por um problema conjuntural, erradamente, algumas empresas tendem a encarar o estagiário como profissional formado (além de não lhe remunerar de acordo)..

  • O Aluno nesta atividade acadêmica deve estar disposto a aceitar novos desafios de aprendizado e estar consciente que escolher/realizar bem o seu estágio pode lhe abrir portas no futuro.

  • Além de supervisionar o andamento de todas as atividades previstas para o estágio, o Docente associado a esta atividade deve primordialmente: (a) manter o aluno motivado a aprender e praticar novos conhecimentos, (b) estimular no aluno a buscar o elo de ligação entre os conceitos teóricos e práticos das atividades realizadas e (c) fazer o aluno equilibrar as demandas de tempo entre seus estudos e seu estágio.

  • O Supervisor na indústria deve indicar claramente para o Estagiário quais são as metas e prazos a serem cumpridos durante o estágio, bem como propor e fornecer o ferramental a ser utilizados durante o período de estágio.

  • Os principais problemas nessa atividade são: falta de foco, descumprimento de prazos e supervalorização do estágio (em detrimento dos estudos de graduação).

[Voltar para o topo desta página]

 

 

Ensino: TCC

  • O Trabalho de Conclusão de Curso é a última grande atividade acadêmica na qual o Graduando terá a rica oportunidade de praticar conjuntamente a maioria do conceitos estudados durante a graduação.

  • O TCC visa também avaliar se o Aluno pode assumir a responsabilidade de ser promovido a Engenheiro.

  • A postura do Aluno nesta atividade deve ser de líder de projeto, cabendo ao Docente responsável funções de supervisão. Isto implica que as todas as iniciativas devem partir  do Aluno.

  • Além de orientações gerais, o Supervisor do TCC deve primordialmente evitar: (a) desvios do foco, (b) não cumprimento de prazos e (c) falta de empenho.O Aluno deve aproveitar a oportunidade para usar o seu Supervisor como um consultor e não como um chefe. Dessa forma as reuniões deve ser como "confissões a um Padre" e não "entrevista para emprego".

  • Com o Prof. Buarque o TCC é uma atividade alongada em objetivos se comparada à média dos outros TCCs. Após uma cuidadosa seleção de tema e metas, além de um rigoroso estudo teórico dos conteúdos necessários para a realização do projeto, o trabalho deverá ser útil à sociedade de alguma forma prática. Obviamente, por seu um Curso de Engenharia, nos trabalhos de conclusão é desejável haver algum tipo de implementação computacional.

  • Os principais problemas (que devem ser evitados) nessa atividade são: falta de foco, descumprimento de prazos e supervalorização de outras atividades em detrimento da sua última obrigação na graduação – o TCC.

[Voltar para o topo desta página]

 

 

Ensino: IC

  • Iniciação Científica é uma atividade acadêmica com ênfase em pesquisa. Visa estimular a prática do método científico e desenvolver habilidades sistemáticas de investigação e produção de conhecimento. Ao contrário do que pode se pensar, participar de Iniciação Científica não implica em seguir carreira científica.

  • Normalmente a atividade de IC se realiza em um ano, podendo se renovado por iguais períodos.

  • O Aluno deve encarar IC como uma oportunidade para estudar em mais profundidade os assuntos do trabalho de pesquisa, onde serão praticados conteúdos teóricos e práticos. Nesta atividade o Aluno deve seguir as recomendações do seu orientador sem grandes questionamentos, mas com muita reflexão sobre o seu porquê.

  • Os problemas mais comuns são a falta de: (a) uma bolsa de estudo; (b) dedicação ao trabalho (i.e. acumular com estágio, por exemplo); (c) encontros regulares com seu Orientador; e (d) falta de uma visão clara sobre o problema (sub-problema) de pesquisa.

[Voltar para o topo desta página]

 

 

Ensino: Grupos de Estudos

  • Atividade voluntária que complementa a formação acadêmica, em ambas as vertentes da graduação, i.e. teórica e prática. Justamente por sua característica voluntária, observam-se excelentes resultados de aprendizado.

  • O Estudante deve aproveitar seus tempos ociosos, por exemplo: antes de começar a estagiar, para experimentar na prática os conteúdos de algumas áreas da sua futura profissão; grupos de estudos são ideais para isto. A sua postura deve ser exploratória e integrativa. Ou seja buscar novos conhecimentos e os acomodá-los aos já existentes. Participar de mais de um grupo de estudo é até salutar.

  • O Docente à frente da iniciativa deve apenas indicar rumos para os Alunos seguirem (i.e. fornecer um plano de estudo para o grupo) e, eventualmente, marcar reuniões de dúvidas e orientações.  Excesso de ajuda pode ser até prejudicial se se considerar o caráter exploratório da atividade.

  • As poucas causas de insucesso são o baixo comprometimento com a atividade e a participação em muitas outras atividades concorrentes. Em ambas as situações, recomenda-se uma adequação de interesses.

[Voltar para o topo desta página]

 

 

Ensino: Monitoria

  • Atividade extra na graduação que inicia o Aluno Futuro-Professor (i.e. o Monitor) a importante habilidade de ensinar. Adicionalmente, ser monitor de uma Disciplina reforça sobremaneira o comandamento dos saberes deste Aluno sobre o conteúdo da disciplina ministrada.

  • O Monitor deve entender que sua função é a de complementar a atividade de ensino desenvolvida pelos Professores. Cabendo a ele trabalhar, a na prática, junto com suas turmas atribuídas, os ensinamentos teóricos ministrados pelo Professor.

  • O Docente deve preparar o Monitor, não somente nos aspectos teóricos da atividade, mas principalmente nos importantes aspectos pedagógicos e psicológicos da atividade de ensino. Leituras sobre tópicos de Educação são fundamentais.

  • Apesar de muito improvável, os insucessos nessa atividade se devem ao não cumprimento de aspectos como: pontualidade, seriedade, disposição para o trabalho e ajudar outrem. Participar da monitoria apenas por causa da sua eventual remuneração é um forte indício de que esta não é a opção mais adequada.

[Voltar para o topo desta página]

 

 

Ensino: Projetos

  • Atividade voluntária que pode acontecer durante e após a graduação e que ajuda sobremaneira a profissionalização dos seus “usuários”. Participar de projetos (e.g. de pesquisa ou e de extensão) estimula reflexões sobre a importância e as dificuldades do trabalho  em grupo. Estimula também o desenvolvimento de necessárias habilidade gerenciais futuras, noções de organização e capacidade de planejamento.

  • O participante em atividades como projetos têm que adotar uma postura colaborativa e  responsável.  Entender que a efetividade de um grupo depende da não-geração de problemas desnecessários por seus participantes é óbvio mas necessário de ser frisado.

  • O líder de um projeto deve manter sua equipe estimulada, esclarecer os objetivos do projeto, cuidar para que o andamento do projeto seja na gradação e direção necessárias. Manter uma clara divisão das tarefas entre os participantes do time bem como a forma como vai ocorrer a sua complementaridade é um desafio adicional.

  • Insucesso neste tipo de atividade acontece por falhas na liderança ou baixo comprometimento/entrosamento dos seus membros.

[Voltar para o topo desta página]

 

 

Ensino: Pós-Graduação

  • A pós-graduação é o momento que se segue a formação superior regular. Ela habilita o Aluno para o desempenho profissional em nível superior avançado. Isto significa que além de saber, saber fazer, saber o porquê e saber criar, o egresso deve ter um conjunto avançado de saberes. No caso de Mestrados e Doutorados, ele deve saber conduzir pesquisas científicas e saber ensinar.

  • Existem dois tipo de Pós-Graduações: Lato Sensu e Stricto Sensu. O primeiro tipo é uma continuação "em largura/comprimento" dos saberes atinentes à formação superior; o segundo, além de ser também uma continuação da formação superior, caracteriza-se por um substancial aprofundamento teórico no domínio estudado. No Brasil, pós-graduação Lato Sensu ou especialização normalmente dura uma ano. As Pós-graduações Stricto Sensu, podem ser de nível Mestrado ou Doutorado. Nestes dois casos, seus tempos de conclusão são de até dois e quatro anos, respectivamente.

  • Esta atividade é de média a longa duração e pode criar vieses permanentes na vida profissional de seus voluntários (e.g. Docente de Universidade Pública, Cientista de Centro de pesquisa etc.). Se no Brasil, concluir uma graduação implica em privilégio de poucos, concluir uma pós-graduação é uma vitória ainda mais seletiva. É de se esperar que no Brasil as pós-graduações Stricto Sensu passem a contribuir mais fortemente com a formação de pesquisadores para as empresas (hoje, infelizmente, a maioria de egressos desta modalidade gravita em torno apenas das Universidades).

  • A postura do Aluno nesta atividade deve ser interessada e semi-independente, devendo ele estar consciente de que somente com muito investimento de tempo e foco nos seus estudos/pesquisas haverá pleno sucesso.

  • Além de envolver o Aluno no desafio que é a sua própria formação avançada, cabe aos Docentes responsáveis pelas funções de ensino: (a) apresentar progressivamente as áreas e problemas a serem pesquisados, (b) incentivar a busca por conhecimento e formulação de hipóteses para solução de problemas por parte do Aluno e (c) incentivar a independência de pensamento, mas com o devido rigor científico.

[Voltar para o topo desta página]